Aposentadoria: 1 em cada 5 brasileiros vai trabalhar até morrer se idade mínima for aprovada


    Um em cada cinco brasileiros morre antes atingir os 65 anos, idade que pode se tornar a mínima para a aposentadoria no Brasil tanto para homens como para mulheres. O número consta da Tábua de Mortalidade, utilizada pelo Ministério da Previdência para estabelecer o fator previdenciário.


    A taxa, calculada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), refere-se ao ano de 2014. De acordo com o órgão, 22% dos brasileiros (28% dos homens e 15% das mulheres) não chegaram aos 65 naquele ano.


    A proposta de fixar a idade mínima de 65 anos para aposentadoria está na proposta do presidente ilegítimo Michel Temer para a reforma da Previdência.


    Hoje, além da opção de aposentadoria aos 60 anos para mulheres e 65 anos para homens, o trabalhador pode obter o benefício com qualquer idade desde que complete o tempo mínimo de contribuição (30 anos no caso das mulheres e 35 anos no caso dos homens).


    No ano passado, segundo dados da Previdência, 28% das aposentadorias concedidas foram para trabalhadores que ainda não poderiam se aposentar por idade, mas que já tinham cumprido o tempo mínimo de contribuição.


    Caso a proposta de idade mínima estivesse valendo, esses trabalhadores teriam de esperar mais anos para conquistar o benefício.


    No projeto do governo, porém, está prevista uma regra de transição para amenizar o impacto da mudança para quem estava prestes a se aposentar.


    Campanha


    A Fetamce deu início a uma série de reportagens e difusão de artes contra a Reforma da Previdência. A contrariedade à medida faz parte da Campanha Salarial 2017 dos Servidores Municipais, chamada de Resistir e Lutar – Por municípios mais justos para todos/as.


    A Federação é contra qualquer proposta de mudança na Previdência que retire direitos e aumente as dificuldades já existentes na vida de trabalhadores e trabalhadoras do Brasil e defende que o sistema previdenciário social seja público, universal e com controle social, como forma de impedir que o país amplie ainda mais as desigualdades sociais.


    O debate em curso sobre a necessidade de reformar a Previdência está repleto de mitos, com o objetivo de angariar apoio entre aqueles que mais dependem de uma aposentadoria digna após uma vida inteira de trabalho. A principal artimanha desses mitos é fazer crer que os brasileiros que não estão contentes com a aposentadoria que recebem são vítimas de tantos outros que recebem privilégios.


    Fique ligado nas nossas mídias e acompanhe as novas informações.


     


    Source: Fetamce